— Voël Blog

Archive
Tag "educação"

André Malherio the Local Leader of IxDA – Interaction Design Association in Rio de Janeiro invited the third and final edition of Mozaiko to Rio on June 20th. Eduardo from Voël and myself welcomed a group of 12 individuals from business, design and entrepreneurship to gather at Comuna in Botafogo, Rio. It was an ideal location in Rio, centrally located with an in and outdoor space with a relaxed atmosphere, plus they made amazing food for the day – I found myself eating Nigella Lawson cookies!

I know that design thinking as a mindset is quite new to companies in Brazil, and the night before the workshop I was asked to do a presentation to an audience of people with an interest in social innovation. When André introduced me he put into perspective how new the program really is. From my point of view, Mozaiko is an initiative to solve the problems that really matter to people in Brazil by turning their solutions into social businesses, but André saw that not only is the concept of design thinking new, but that applying it to the fostering of social entrepreneurship was a step further. From his point of view he was very interested to see how the Mozaiko team captured insights in context from real people out in Rio, and formed them into social business ideas in just one day.

I have always known that context is important, but I never realized just how important it was until my work on Mozaiko. I realised when analysing the data from the first and second Mozaiko workshops that because I don’t have the knowledge of the context that Voël have, without their help to synthesise the insights, my own synthesis would have been very general and not shown the deep understanding that can come from using design thinking approaches –  having the knowledge of the context is key. So in the third workshop it was important that I made all the participants aware that they were co-researchers and co-analysers, and that whoever was investigating a context would carry on and translate their insights into a social business idea – making the session more focused, and getting the participants involved in more of the work!

So using similar tools as before, we took three groups to the local street market, the favela, and a street that was close by to capture insights about what mattered to the local people. In Belo Horizonte and Recife the participants had found it easy to engage with people on the street, however this was not the case in Rio where the participants found it hard to get people talking. This was a reminder that Brazil includes people from many different cultures – one thing I did learn about the favela (and this comes back to context again) was that each different favela in and around Rio has their own problems and one single solution cannot cover them all.

From this insight we created the wall of possibilities, creating What-If’s with the whole group.  In the local market they had found that good produce was being thrown away unused, the sellers did not come together as a community of businesses, and there was no formal support for business development. Most of the favelas began at the foot of massive hills and spread upwards over time in a chaotic manner, without any infrastructure or utilities. Because of this, the residents of the favelas are keen to become more self-sufficient so that they do not have to keep travelling the long distances up and down the hills to access services.

When Mozaiko participants talked with people on the streets of Rio, they found there was a lack of engagement from elder people in society and lots of problems with traffic. For each context that the participants engaged with over the day, they summarized insights and created their own questions (see below) from which to develop a new service or system for the local community they had ventured into.


By the end of the day we had three new social business ideas for the local community. The first idea was to create a whole new ecosystem from the market waste products by presenting them in a food show or turning them into new products to generate money, that would then be fed back into the market itself – with the idea of turning it into a really well-known market and then providing the stallholders with business support and advice.

I found the idea of developing an ecosystem for the local market so interesting as, although it was more complex to get to the solution, the idea would get all the stakeholders gathered together so they can deliver more value in a sustainable way. Also I found it interesting that the team had started to use a customer journey map – they did this because they could not say what the customer experience would be, as they were not sure of the end service yet, so they started to map the touchpoints they would need to build and prototype the ecosystem in order to bring the right parties together (see image below).

The second business idea was to develop a brand and identity for the whole favela so that people would be drawn to the area, rather than feeling ashamed of living there. The third business idea was to help the carers of older people to reengage with their communities through an interactive watch that connected them with people in their area.

Again it was another insightful experience working with Mozaiko and it was great working with such interesting people. Reflecting back on my time with Mozaiko it has been a personally enriching experience, where I have met and worked with 52 individuals from all different kinds of background, and have seen that they all have a passion for making a difference in Brazil and want to learn new way of achieving this. I have come to understand and appreciate the contexts we have worked in through the insights our participants have gathered – although I don’t full understanding the context of Brazil, I now have a better knowledge of the issues the people there face on a daily basis.

To me having been in Brazil and seen how it is rapidly growing, I can see how initiatives such as Mozaiko are needed – and how Mozaiko itself has been successful at training individuals in a new approach to developing solutions to social problems.  Although it’s still in the early stages, initiatives like this are needed to work alongside businesses and NGOs developing services that look not only to profit, but also to deliver real value by addressing people’s needs – I believe this makes business sense. If you have not read Richard Branson‘s book ‘Screw business as Usual’ it’s a must!. The main thing I took away from reading his book is that people see profit as a bad thing and giving money as a good thing, but Branson would argue that social ventures have to make money to be sustainable. This is the intent for Mozaiko over the next year: to work alongside NGOs in building enterprises that address people’s real needs. I now know that the approaches of design thinking can be used to find people‘s mutual ‘why’ and to identify the value to be exchanged between all parties – I think this is what makes design thinking different, you need to find everyone’s common ground before they start working together. I know Mozaiko has a lot to offer people and will continue to evolve in an organic way as it has done with each edition. I know that Voël have some great plan for Mozaiko in the future that they are starting to put into action – watch this space!

Looking back at my time at Voël, it has been great to provide the team with an initiative that gives them energy, and that they can continue to learn through. Voël’s ‘Why’ is learning, and they founded their company to do social good from the start. Although it is sad for my visit to end, it is really warming to feel that I have not only left them with something they can enjoy but also something that I know they will go on to share with new people, forming new partnerships that will ultimately have a positive impact on the people of Brazil – people I have come to learn are so warm and giving. I have also discovered that, if you want to do social good two of the best places to start are in education and healthcare, and I will pursuing my own ideas on developing educational systems during the next stages of my Walkabout in India with Idiom.

Below is a picture of everyone doing the chicken dance!! Some I will later explain in an exploring post.

More photos of Mozaiko Rio.

Faça seu comentário

Como eu disse no post anterior, novidades surgiriam e aqui está a melhor e maior delas: Emma Jefferies. Se você segue nosso twitter, já até sabe.

Emma JefferiesEssa ai lado é a Emma, a principal responsável por colocarmos em prática esse sonho antigo, que é o Mozaiko.

Explicando melhor, no meio do ano passado conheci a Emma por meio de uma das suas várias iniciativas. A partir disso, passei a seguir os seus passos, pois tive interesse no seu trabalho e na sua pesquisa, mas até então, sem nenhuma outra pretensão.

E foi mais para o final do ano, no meio do turbilhão do Interaction South America 2011, que ela entrou em contato conosco com uma proposta, sinceramente irrecusável.

A proposta era para a Voël ser a nova estação do seu projeto atual, o International Design Walkabout. Trata-se de uma aventura internacional, em que ela passa alguns meses em uma empresa de Design e aplica uma espécie de consultoria, o The Design Doctor, além de contribuir com os trabalhos da empresa. Segundo ela mesma, é uma forma de aprender como os grandes Designers aprenderam, conhecendo, vivenciando e explorando novas culturas e experiências.

Neste momento ela está na primeira parada da sua aventura internacional, a renomada empresa de Design de Serviços, DesignThinkers, da Holanda. E agora é hora de conhecer o Brasil, os brasileiros e como agente faz Design por aqui. A Voël será a responsável por isso, e a aventura já começa agora em março, quando ela chega e quando acontecem os primeiros workshops do Mozaiko, que ela irá ministrar.

A inglesa Emma é uma premiada designer, pesquisadora, educadora e escritora. Tem PhD em Design pela Northumbria University e temos certeza que trará contribuições valiosíssimas, não só para nós, no tempo que ela estiver conosco, como para todos que participarem do Mozaiko.

Por enquanto é isso, estamos muito empolgados com essa história toda e estamos pagando para ver onde vai dar.

Aguarde novas informações sobre os workshops, em breve, muito breve.

Faça seu comentário

Eu sei, eu sei, isso aqui ficou meio inabitado desde o segundo semestre de 2011. Mas a razão é mais que válida. Além dos nossos projetos com o Google, a Oficina de Imagens, a Ballantine’s e o Itaú Cultural, estivemos totalmente ocupados com o Interaction South America 2011 e o resultado não poderia ter sido melhor. Ouvimos muitos elogios tanto das pessoas que conversaram com a gente, quanto nos posts de reviews e nos tweets. Nós estamos extremamente felizes e orgulhosos com o que fizemos e esperamos que tenha gerado bons frutos para todos os envolvidos.

Bom, agora em 2012 a história é outra, mas o desafio é tão grande quanto (e é disso que a gente gosta). Estamos em um grande processo de redefinição do que é a Voël, do que queremos fazer de verdade, entre outras coisas. E desde o final do ano estamos planejando um novo projeto de Educação e Inovação Social, que são áreas que nos interessam bastante. Educação, porque acreditamos que novas práticas de ensino podem e devem ser experimentadas. E para isso estamos pensando em um modelo de ensino diferenciado, baseado em cocriação para resolver problemas reais da sociedade. E a pegada de Inovação Social é mais que bem-vinda, pois vivemos rodeados de problemas, que não só nos afetam pessoalmente como a sociedade como um todo. Então pensamos como seria interessante se as pessoas pudessem aprender sobre Design Estratégico aplicando as metodologias de Design Thinking (como pesquisa, ideação e prototipação) em problemas reais, gerando ideias e soluções para esses problemas para que tudo possa ficar disponível e passível de contribuições. E mais que isso, passível de serem adotadas e financiadas por alguma empresa ou organização.

O projeto chama-se Mozaiko e é uma plataforma de iniciativas em Educação e Inovação Social. O objetivo é realizar workshops e cursos livres sobre Design Estratégico, Design de Interação, Design Thinking e áreas relacionadas. De forma dinâmica, colaborativa e inovadora. Buscando articular mudanças socioeconômicas, sempre com foco em pessoas e em problemas reais.

O Mozaiko funciona da seguinte maneira:

1. Os participantes dos workshops e cursos irão trabalhar soluções para problemas reais da sociedade;

2. Tudo será documentado no site do Mozaiko, onde outras pessoas poderão ver, comentar, discutir, propor mudanças e usufruir das soluções ou de parte dos processos das soluções;

3. Esse banco de ideias também ficará disponível para que empresas e organizações possam apoiar e financiar a realização das soluções.

Mozaiko: Como Funciona

O Mozaiko vai começar as atividades em grande estílo. Estamos trazendo uma pessoa da europa, uma inglesa para ser mais exato, PhD em Design e que trabalha em uma grande empresa de Design Thinking européia. Em breve falaremos mais detalhes sobre essa pessoa, mas posso garantir que a experiência dela será riquíssima para quem for participar e para os projetos que serão gerados.

Nosso plano é ter a primeira turma já agora em Março. Por isso estamos num processo louco de definição de como serão esses workshops. E para isso, nada melhor do que entender melhor, quem irá participar. Então, se você está interessado no que falei até agora, sua opinião nos interessa bastante! Os dados informados não serão usados para nenhum outro fim e serão mantidos em sigilo. São 19 perguntas que levam cerca 8 minutos para serem respondidas.

Pesquisa:

 

Em muito breve, mais informações sobre o Mozaiko.

Faça seu comentário

Eis o segundo da série de posts do curso sobre Comunicação na Era Digital, que oferecemos nesse mês de maio na Academia de Ideias. Veja a história desse curso no primeiro post da série.

No segundo encontro realizado no dia 09 de maio (2011) o tema foi “Além do mouse e teclado, novos paradigmas de experiência do usuário?” e falamos um pouco sobre a evolução da tecnologia e da forma como interagimos com ela, especialmente com os computadores. Através de exemplos práticos sobre novas tendências na interação entre homem e computador, pudemos discutir um pouco os benefícios e malefícios de toda essa transformação. A ementa era: a tecnologia está cada vez mais presente na vida das pessoas, as vezes de forma imperceptível. Se antes os objetos e produtos tecnológicos eram facilmente identificados, hoje eles se misturam a quase tudo o que vemos e interagimos. Na era da chamada pervasividade computacional, os objetos mais simples ou mesmo ambientes se tornam inteligentes e interativos. Essa é uma tendência que está apenas começando mas já causa um enorme impacto na vida das pessoas.

Aqui estão algumas fotos do curso:

Faça seu comentário

Esse é o primeiro da série de posts sobre o curso que oferecemos nesse mês de maio na Academia de Ideias.

Tudo começou quando a Academia de Ideias nos chamou para ministrar uma palestra sobre novas tecnologias para uma das suas empresas parceiras. Logo depois o Leonardo da Academia me mostrou a ementa do curso – Reflexões sobre o mundo hiperconectado – A vida na era da convergência – para ver se eu tinha interesse em dar o curso. Achei a proposta interessante, pois a temática se encaixa perfeitamente no contexto dos trabalhos que estamos fazendo na Voël. E já que eram quatro dias de curso, propus a inclusão de um quinto dia sobre tecnologias móveis para fechar com o número de pessoas da Voël e cada um ficar responsável por um dia.

Bom, eu fiquei encarregado de começar os trabalhos com o tema – Comunicação na Era Digital – e preparei o conteúdo de forma que desse um panorama geral sobre esse fenômeno e ao mesmo tempo trouxesse uma introdução ao que seria discutido mais a fundo nos próximos encontros do curso.

Quando nós da Voël nos reunimos para discutir qual seria o fio condutor entre os temas de cada dia de curso (comunicação na era digital; tecnologia e inovação; livros na era digital; redes sociais; e tecnologia móvel), chegamos a conclusão que o relacionamento entre os temas deveria ser o comportamento humano, por ser algo que nos afeta diretamente enquanto designers e pessoas.

Dessa forma, decidi estruturar o conteúdo desse primeiro dia introdutório de curso, com os mesmos pilares que sustentam o Design Thinking: pessoas, tecnologia e negócios. O objetivo era transmitir esse conteúdo seguindo as mesmas premissas que aplicamos nos projetos que desenvolvemos na Voël. Para isso, alterei um pouco a ementa que nos foi passada pela Academia, que ficou assim:

“O papel imposto às pessoas pela mídia tradicional de serem meros receptores de conteúdo foi profundamente transformado pela internet. Agora todos tem o poder de produzir e compartilhar conteúdo e mais que isso, com a internet as pessoas tem o poder de escolher o que consumir. Isso transformou a maneira como a sociedade e suas diversas organizações interagem e geram valor. As consequências pessoais, organizacionais e políticas desse processo geram enormes desafios e oportunidades. O objetivo é discutir alguns desses impactos na sociedade e analisar exemplos práticos dessa mudança de paradigma.”

Acabei dando um tom mais crítico ao assunto, não só abordando as maravilhas do mundo conectado e as inúmeras possibilidades das redes sociais, mas apontando as conseqüências disso. Então busquei exemplos de ideias, que não só possibilitam a comunicação entre as pessoas, mas mais que isso, promovem um engajamento político (no sentido grego da palavra).

Em “tecnologia” mostrei um pouco de como se deu toda a revolução dos computadores e da evolução de como interagimos com eles. Também falei de como a internet teve seu significado alterado desde a sua criação e como isso provocou as mudanças na forma como as pessoas se relacionam.

Em “pessoas”, falei um pouco sobre a quebra de paradigma no acesso e produção de conteúdo que as redes sociais e os serviços online proporcionaram e como essas e outras ferramentas afetam a nossa cultura.

Em “negócios”, trouxe exemplos de ferramentas e produtos de crowdsorcing e inovação aberta, que exploram questões como colaboração e comunicação instantânea e global para os mais diversos fins, desde promover ideias criativas, até ajudar na segurança dos moradores de determinada região ou cidade.

Esse foi o mapa mental que criei, antes de preparar a apresentação, para visualizar melhor as minhas ideias e relacionar os conceitos. Além, disso aponto as referências teóricas que usei.

Comunicação na era digital

A partir disso, parti para a apresentação em si:

A aula foi muito produtiva, e quase não dei tempo de mostrar tudo o que eu havia preparado. Mas o principal, para mim, são as reflexões geradas a partir do que foi apresentado, como a discussão que tivemos sobre se a internet realmente tem o poder de interferir em acontecimentos globais, como as guerras. O grande valor de apresentar algo para alguém, sem dúvida, é perceber que de alguma forma você trouxe algo novo para as pessoas, que as farão pensar de uma forma diferente do que costumavam.

Aqui estão algumas fotos do curso:

Faça seu comentário

O mês de maio nos reserva boas conversas, nós da Voël ministraremos o curso Reflexões sobre o mundo hiperconectado – A vida na era da convergência na Academia de Ideias. O objetivo é discutirmos diversos temas relacionados a uma sociedade cada vez mais conectada e rodeada de telas de todos os tamanhos.

O curso acontecerá às segundas-feiras a partir do dia 02 de maio – 19h30 às 21h45. O programa de temas é:

  • [02/05] Comunicação na Era Digital, Eduardo Loureiro
  • [09/05] Tecnologia e Inovação, Koji Pereira
  • [16/05] Os livros vão acabar? A Indústria Editorial no século XXI, julius
  • [23/05] Redes Sociais e a Reivenção do EU, Marcos Machado
  • [30/05] O computador no seu bolso, Geovane Rodrigues

Esperamos vocês lá!

Faça seu comentário